domingo, 23 de novembro de 2008

Liberdade

Liberdade se aproxima
A brisa de primavera toca meu rosto
O horizonte está clareando
As nuvens negras estão indo embora
E em breve poderei voar

Voarei livre rumo ao infinito
Não me perderei mais em ventos de tempestade
Não serei mais cego pelos raios
Nem amedrontado pelos trovões

A grandiosa Sol está vindo com seus cavalos
Trazendo Alfrodul, a gloria dos elfos,
O amanhacer
E o grande lobo não está mais lá para amedrontá-los

Os ventos da tempestade estão mais fracos
As ondas não chicoteiam mais a costa
A chuva fica cada vez mais suave...

A criança uma vez morta renascerá
Dando vida à mente do homem caido
A brisa morna da primavera aquece meu rosto,
derrete o gelo do meu coração, que voltará a bater
Sem estacas
Sem espinhos

As lagrimas vão secar
Minhas asas crescerão novamente
Liberdade estende a mão
O vento me manda segura-la forte
Estou voando.

Livre





2 comentários:

Zero disse...

a melhor sensação do mundooo...

quando os fluidos viram sangue e a máquina vira coração novamente... sem comandos sem obrigações.
feliz por vc!!!

abração!

Lari disse...

bom é ter o vento fresco do rosto e um soriso incontido ^________^